ARTIGO

AFINAL, QUAL A “MELHOR” DIETA PARA EMAGRECER?

sexta-feira, 31/08/18 16:46

Atualmente, estudos epidemiológicos mostram que duas a cada três pessoas que encontramos precisam emagrecer. Nesse contexto, a nutrição sem dúvida apresenta um papel essencial. Mas afinal de contas, qual a “melhor” dieta para emagrecer? Na mídia temos diferentes propostas: jejum intermitente, dietas low-carb, cetogênica, qual delas devo fazer? Infelizmente, vemos que na mídia há uma carência de informações científicas que fundamentam essas práticas.

Do ponto de vista científico, observamos um crescente número de artigos discutindo os aspectos positivos e negativos dessas dietas. Dentre os fatores positivos a respeito do jejum intermitente, destacam-se:

  1. Do ponto de vista evolutivo, o homem não comia de 3 em 3 horas, e a alimentação ocorria de maneira intermitente.
  2. A ingestão alimentar continua mantém as concentrações de insulina no estado pós-prandial durante todo o dia. É relevante relembrar que esse hormônio é um potente inibidor da queima de gorduras. Dessa forma, quando se pensa em emagrecimento, esse aspecto deve ser repensado.
  3. Outro argumento constantemente discutido é que a prevalência de obesidade tem crescido de maneira exponencial e dessa forma, novas estratégias nutricionais precisam de fato serem repensadas.

Já em relação aos aspectos negativos, os autores chamam a atenção dos seguintes pontos:

  1. O jejum intermitente é para todos? Provavelmente não. Sabemos que uma dieta cetogênica e também o próprio jejum aumentam a produção de cortisol. Logo, pessoas que apresentam esse eixo ativado, devem repensar a redução dos carboidratos na dieta, pois podem causar uma hiperprodução desse hormônio. Um exemplo dessa situação está na prática de exercício físico, principalmente no alto rendimento.
  2. Um outro aspecto que deve ser pensado também é a adesão da dieta. Um estudo publicado recentemente em uma das revistas mais conceituadas internacionalmente, nos mostra que a adesão a esse protocolo a longo prazo é um problema, já que a comida faz parte do cotidiano das pessoas e uma real mudança no comportamento e conscientização alimentar é essencial.
  3. Estudos mostram que 90% das pessoas que emagrecem não conseguem manter esse menor peso corporal. Vários mecanismos justificam esse resultado, sendo que a redução da taxa metabólica basal é uma das principais explicações para esses dados. Dessa forma, se o jejum intermitente pode causar uma redução da massa muscular, será que a longo prazo ele também não poderia favorecer o efeito sanfona?

Diante de tantas possibilidades, o que vemos é que não temos uma resposta para a pergunta: “Qual a melhor dieta para emagrecer”, pois o que observamos é que temos aspectos positivos e negativos para cada um dos protocolos. Dessa forma, se você quer emagrecer, procure um nutricionista e não se renda às “dietas na internet”. O nutricionista é o profissional preparado para avaliar qual a dieta mais adequada para você.

Heloisa Helena

Especialista em Nutrícia Clínica, a área da nutrição que foca na ingestão adequada de alimentos e nutrientes para resistência a doenças. Heloísa também atua na área de nutrição esportiva, voltada para praticantes de atividades físicas.

Top