TERCEIRIZAÇÃO: UMA AMEAÇA VELADA

BRECHAS AFETAM O PODER DO ESTADO

terça-feira, 15/05/18 18:20

O SINJUS-MG publica, nesta terça-feira, 15/5, mais uma reportagem da série “Terceirização: uma ameaça velada”. Na segunda reportagem, vamos falar sobre práticas adotadas dentro da Administração Pública para burlar a legislação e promover a corrupção, entre elas, o nepotismo e o loteamento do estado para exploração privada.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o nepotismo está estreitamente vinculado à estrutura de poder dos cargos e funções da administração e se configura quando, de qualquer forma, a nomeação do servidor ocorre por influência de autoridades ou agentes públicos ligados a esse servidor por laços de parentesco. Situações de nepotismo só ocorrem, todavia, quando as características do cargo ou função ocupada habilitam o agente a exercer influência na contratação ou nomeação de um servidor.

Em 2008, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a súmula 13, que passou a proibir a prática nos três Poderes da União, Estados e municípios até o parentesco de terceiro grau. A Súmula também vedou o nepotismo cruzado, que ocorre quando familiares de um agente público são empregados por outro como contrapartida. Mesmo com uma legislação vigente, a prática é muito comum na Administração Pública e difícil de ser combatida.

Segundo o cientista político da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Juarez Guimarães, a prática do nepotismo é muito tradicional na história politica brasileira e, apesar de a sua proibição ter se dado apenas no século XXI, sempre houve um esforço das forças democráticas para fazer prevalecer o interesse público sobre os interesses privatistas ilegítimos. “Uma das teses que discute o processo de formação do estado brasileiro é a do patrimonialismo, isto é, que o poder político é tomado por representantes de interesses privados que gerem o estado, privilegiando interesses privatistas. A luta contra o nepotismo faz parte desse esforço de submeter o estado ao controle democrático da sociedade para que ele cumpra realmente as funções públicas atendendo a interesses da maioria”.

Loteamento
Há alguns anos, o Brasil iniciou o processo de privatização das empresas estatais. E na transferência do patrimônio público ao setor privado, surgiram as agências reguladoras, como alternativa de regulamentação, fiscalização e controle. No entanto, especialistas denunciam que as agências têm sido “capturadas” pela lógica do capital. “O grande problema da corrupção hoje no Brasil é frente as grandes corporações econômicas. Através do poder, elas têm capturado os órgãos do estado para seus interesses privatistas”, afirma Juarez Guimarães. O cientista político cita o exemplo do Banco Central do Brasil (BC), que tem, entre suas responsabilidades, a de regular e supervisionar as instituições financeiras. No entanto, o próprio presidente do BC, Ilan Goldfajn, também é diretor do maior banco privado do País: o Itaú-Unibanco.

Juarez explica que, no âmbito da Administração Pública, a terceirização se encaixa no processo de privatização das funções do estado. “Esse processo é legitimado pelo neoliberalismo – a ideia de que as forças de mercado são mais eficientes do que o estado e que, logo, o estado deve recuar e ceder lugar às grandes empresas –. No entanto, as forças mercantis não são o primado da racionalidade, da eficácia e da justiça. Elas, na verdade, instauram um grau de desigualdade social que viola o princípio da liberdade”.

O especialista defende que é difícil combater uma prática tão enraizada na sociedade, mas existem mecanismos. “Uma das formas é aumentar a ocupação de funções no Estado, principalmente das funções estratégicas, por cidadãos realmente comprometidos com a Administração Pública, através de concurso público. É preciso ainda diminuir a presença e a importância daqueles cargos que são preenchidos por indicações de políticos. Cabe também, através das instâncias de controle, tentar identificar situações que caracterizem o nepotismo cruzado e proibir sua prática”, aponta Juarez.

Na próxima reportagem da série “Terceirização: uma ameaça velada”, vamos mostrar um estudo, realizado pelo DIEESE, que analisou os aspectos da terceirização no TJMG, além de falar como o SINJUS-MG tem atuado para combater essa prática no Judiciário mineiro. Fique de olho no site do SINJUS!

Notícias relacionadas

TERCEIRIZAÇÃO: UMA AMEAÇA VELADA PRÁTICA PODE PREJUDICAR O SERVIÇO PÚBLICO terça-feira, 08/05/18 19:44 Há pouco mais de um ano, a Lei da Terceirização (Lei nº 13.429/2017) entrou em vigor, liberando a contratação de funcionários terceirizados para exercer qualquer atividade dentro das empresas. Para esclarecer o que isso muda na realidade das instituições ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
VOTAÇÃO CONFIRMADA PRESIDENTES DO TJ E DA ALMG CONFIRMAM DATA-BASE DIA 7 terça-feira, 16/10/18 18:28 Em reunião na tarde desta terça-feira, dia 16/10, os presidentes do Tribunal de Justiça ...
FESTA DE FIM DE ANO CONVITES ESTÃO DISPONÍVEIS A PARTIR DESTA 5ªF. terça-feira, 16/10/18 12:00 A imperdível e tão esperada Festa de Fim de Ano do SINJUS-MG já tem ...
PL 643/18 Pessoas com deficiência poderão ter reserva de lugar nas praças de alimentação terça-feira, 16/10/18 11:47 O PL 643/18 recebeu parecer pela aprovação em reunião realizada nesta segunda-feira (15/10) pela Comissão de ...

Convênios

ver mais
Champion Mecânica Automotiva Serra . BH (31) 3223 5766 / 99341 5657 10% a 20% ver mais
Art Day SPA Spa Buritis . BH (31) 97563 3165 www.facebook.com/artdayspa 20% ver mais
Marina Gonçalves Terapias alternativas Centro . BH (31) 99972 0403 R$50* a R$70* por sessão ver mais
Top