ARTIGO

Descasque mais, desembale menos…

segunda-feira, 19/08/19 12:24

Saiba a diferença entre os alimentos minimamente processados, processados e ultraprocesssados:

  • Alimentos in natura ou minimamente processados: correspondem a alimentos in natura que foram submetidos a processos de limpeza, remoção de partes não comestíveis ou indesejáveis, fracionamento, moagem, secagem, fermentação, pasteurização, refrigeração, congelamento e processos similares que não envolvam agregação de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias ao alimento original.Exemplos: Legumes, verduras, frutas, raízes e tubérculos in natura ou embalados, fracionados, refrigerados ou congelados; arroz branco, integral ou parboilizado, a granel ou embalado; milho em grão ou na espiga, grãos de trigo e de outros cereais; feijão de todas as cores, lentilhas, grão de bico e outras leguminosas; cogumelos frescos ou secos; frutas secas, sucos de frutas e sucos de frutas pasteurizados e sem adição de açúcar ou outras substâncias; castanhas, nozes, amendoim e outras oleaginosas…
  • Alimentos processados: são fabricados pela indústria com a adição de sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário a alimentos in natura para torná-los duráveis e mais agradáveis ao paladar. São produtos derivados diretamente de alimentos e são reconhecidos como versões dos alimentos originais. São usualmente consumidos como parte ou acompanhamento de preparações culinárias feitas com base em alimentos minimamente processados.Exemplos: Cenoura, pepino, ervilhas, palmito, cebola, couve-flor preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre; extrato ou concentrados de tomate (com sal e ou açúcar); frutas em calda e frutas cristalizadas; carne seca e toucinho; sardinha e atum enlatados; queijos; e pães feitos de farinha de trigo, leveduras, água e sal.
  • Alimentos ultraprocessados: Alimentos ultraprocessados são formulações industriais feitas inteiramente ou majoritariamente de substâncias extraídas de alimentos (óleos, gorduras, açúcar, amido, proteínas), derivadas de constituintes de alimentos (gorduras hidrogenadas, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório com base em matérias orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes).Exemplos: Vários tipos de biscoitos, sorvetes, balas e guloseimas em geral, cereais açucarados para o desjejum matinal, bolos e misturas para bolo, barras de cereal, sopas, macarrão e temperos ‘instantâneos’, molhos, salgadinhos “de pacote”, refrescos e refrigerantes, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados, bebidas energéticas, produtos congelados e prontos para aquecimento como pratos de massas, pizzas, hambúrgueres e extratos de carne de frango ou peixe empanados do tipo nuggets, embutidos…

Seja crítico quanto a informações sobre alimentação por meio de propagandas comerciais. Avalie as informações que chegam até você e aconselhe seus amigos e familiares a fazerem o mesmo.

A adoção de práticas alimentares saudáveis é muito importante para a sua saúde! 

10 simples passos para alcançar uma alimentação saudável:  

  • Prefira sempre alimentos in natura ou minimamente processados, como frutas, legumes, verduras, raízes, tubérculos, ovos, leite, arroz, feijão, carnes, etc.
  • Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades.
  • Limite o consumo de alimentos processados como legumes em conserva, frutas em calda e cristalizadas, carne seca, toucinho, sardinha e atum enlatados, queijos, etc.
  • Evite o consumo de alimentos ultraprocessados, que são aqueles que sofrem muitas alterações em seu preparo e contêm ingredientes que você não conhece, como por exemplo: biscoitos, sorvetes, balas e guloseimas em geral, cereais açucarados, bolos e misturas para bolo, barras de cereal, sopas, macarrão e temperos instantâneos, molhos, salgadinhos “de pacote”, refrescos, pratos congelados prontos para aquecer, molhos industrializados, misturas prontas para tortas, etc.
  • Coma regularmente e com atenção em lugares tranquilos e sempre que possível, na companhia de outras pessoas.
  • Faça suas compras em locais que tenham uma grande variedade de alimentos in natura. Quando possível, adquira os alimentos orgânicos e de base agroecológica.
  • Desenvolva suas habilidades culinárias e procure compartilhar receitas.
  • Planeje seu tempo. Distribua as responsabilidades com a alimentação na sua casa.
  • Ao comer fora, prefira locais que façam a comida na hora.
  • Seja crítico quanto a informações sobre alimentação por meio de propagandas comerciais. Avalie as informações que chegam até você e aconselhe seus amigos e familiares a fazerem o mesmo.

Heloisa Helena

Especialista em Nutrícia Clínica, a área da nutrição que foca na ingestão adequada de alimentos e nutrientes para resistência a doenças. Heloísa também atua na área de nutrição esportiva, voltada para praticantes de atividades físicas.

Top