INCLUSÃO

SINJUS COBRA ACESSIBILIDADE NAS UNIDADES DO TJMG

quarta-feira, 05/09/18 18:51

O SINJUS-MG se reuniu, nesta terça-feira, 4/9, com a Comissão de Acessibilidade e Inclusão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), para tratar das dificuldades enfrentadas pelos servidores com deficiência em relação à acessibilidade em atividades realizadas pelo Órgão. O SINJUS foi representado pelo coordenador-geral, Wagner Ferreira, e pela diretora administrativa e coordenadora do Núcleo da Pessoa com Deficiência do SINJUS (NPD), Sônia Souza. Já o Tribunal foi representado pelos juízes auxiliares da Presidência Jair Francisco dos Santos e Delvan Barcelos Júnior, além do secretário especial da Presidência, Renato Cardoso.

Os diretores do SINJUS falaram das queixas recebidas por servidores com deficiência no que diz respeito ao acesso em eventos institucionais do TJ, como cursos, seminários e palestras. Prédios mais antigos, como o da rua Goiás, ainda não têm estrutura acessível. Usuários das dependências do Tribunal, entre eles advogados, também reclamam da falta de acessibilidade, que piora durante a realização de obras e manutenções nas unidades.

Os representantes do TJ afirmaram que há previsão para a realização de obras de adaptação dos prédios dos anexos I e II, incluindo os auditórios, banheiros e espaços comuns. Enquanto isso, a proposta é que o Tribunal faça transmissão ao vivo nos canais institucionais dos eventos realizados, em formato acessível. O SINJUS também solicitou que o TJ ofereça intérprete de Libras nas atividades realizadas, possibilitando que os servidores que tiverem necessidade da tradução avisem à organização e se inscrevam previamente no evento.

Os sindicalistas também pediram informações sobre a reserva de vagas nos estacionamentos para servidores que têm mobilidade reduzida. Segundo o TJ, todos os pedidos protocolizados foram aprovados. Com relação à sede da Unidade Afonso Pena, foi solicitado ainda um acesso facilitado para embarque e desembarque de pessoas com deficiência no espaço restrito em frente ao prédio, próximo à porta principal. Atualmente, esse público tem de desembarcar na rua sem nenhuma segurança, ao lado dos carros que trafegam em alta velocidade, e ainda precisam fazer um percurso nada acessível até a porta, cuja calçada de pedra portuguesa traz riscos à locomoção.

Na reunião, os diretores do Sindicato ainda alertaram ao TJ que a listagem de servidores com deficiência fornecida pelo Órgão está defasada. Assim, faz-se necessário um novo cadastro de todos os servidores com deficiência.

O SINJUS, por meio do NPD, vai acompanhar de perto e cobrar novos avanços da Comissão de Acessibilidade e Inclusão. Servidores que tiverem sugestões e reclamações podem entrar em contato com o Sindicato pelo telefone (31) 3213-5247.

Conheça a página do NPD, clicando aqui.

Últimas notícias

ver mais
ORÇAMENTO E FINANÇAS Repartições públicas podem ter que assegurar atendimento em LIBRAS sexta-feira, 21/09/18 12:06 A presença de um intérprete favoreceria pessoas com deficiência auditiva, democratizando o uso da ...
JUDICIÁRIO Conselheiro do CNJ chama TJPR de “cabide de empregos” quinta-feira, 20/09/18 15:35 O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) foi duramente criticado na primeira sessão do ...
Top