AMBIENTE DE TRABALHO

ENTENDA O QUE É A SÍNDROME DE BURNOUT QUE AFETA TANTAS TRABALHADORAS E TRABALHADORES

sexta-feira, 22/03/24 17:34 A imagem tem um fundo preto e mostra um homem olhando diretamente para a câmera com uma nuvem preta de tempestade sobre a sua cabeça. Em destaque está escrito "BURNOUT". Abaixo do homem, há outro texto em letras mais pequenas e vermelhas que diz "SAÚDE NÃO É SÓ DOENÇA". No canto inferior esquerdo, há um logotipo da FENAJUD e do SINJUS-MG.

A Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional está cada dia mais comum na vida das trabalhadoras e dos trabalhadores no país. Em função das subnotificações, ainda há números muito incipientes, mas a OMS refere que o Burnout já impacta 30% dos brasileiros e segundo a ISMA (Internacional Stress Management Association), o Brasil é o segundo país com mais casos diagnosticados. Quem traz luz aos dados é a psicóloga Marzie Damin, Mestra em Comunicação Social – PUCRS, entrevistada da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados (Fenajud) desta semana, no âmbito da campanha de saúde “Saúde não é ausência de doença”.

Ao ser perguntada sobre o que é a síndrome, a especialista aponta que “é um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.  As principais causas são a carga de trabalho excessiva, falta de apoio e liderança inadequada e a falta de reconhecimento. É comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes ou quando o profissional planeja ou é pautado para objetivos de trabalho muito difíceis. Há alguns estudos que associam o assédio moral como desencadeante para a Síndrome de Burnout”, disse.

Ela ressalta ainda que, “A Síndrome de Burnout se caracteriza por sofrimento psíquico e problemas físicos. Os principais sinais físicos que podem indicar a Síndrome de Burnout são: fadiga, dores de cabeça frequente; alterações no apetite e no sono; dificuldades de concentração; hipertensão; problemas gastrointestinais e alterações nos batimentos cardíacos. Do ponto de vista psicológico, são sentimentos de fracasso, insegurança, negatividade constante, derrota e desesperança, incompetência; isolamento e alterações de humor. A presença desses sintomas de forma cotidiana, sem qualquer tratamento ou afastamento da fonte de estresse, pode incapacitar o profissional de trabalhar, causando impactos importantes na autoestima, na capacidade cognitiva e na credibilidade da sua capacidade de trabalho”, pontua.

A trabalhadora ou trabalhador também pode ser levado à “Exaustão mental – esgotamento mental, sensação de vazio e incapacidade de lidar com as tarefas cotidianas; Despersonalização – negativismo, perdendo a capacidade de ter empatia; Diminuição do desempenho – dificuldade de concentração em tarefas simples e consequente redução na produtividade. Ansiedade, depressão, isolamento social, entre outras”, enfatiza Marzie.

A psicóloga aponta ainda que “Há que se considerar que a judicialização do Burnout tem ganhado visibilidade e força dentro dos tribunais brasileiros, especialmente após o reconhecimento pela OMS do Burnout como doença ocupacional, há pouco mais de 1 ano (Em 1º de janeiro de 2022). Isso significa que atualmente existe CID (Classificação Internacional de Doenças) específico para a doença. Nesse sentido o reconhecimento do Burnout como doença ocupacional promoveu uma mudança de abordagem nos tribunais”.

Sobre o que fazer, a professora aponta que “Na micropolítica das organizações, promover ações de formação, informação, ambientes mais permeáveis à tolerância de reconhecimento humano, conhecimento e aceitação dos limites e potencialidades de cada pessoa dentro da organização devem ser o centro das prioridades estratégicas.

Levantamento 

Um levantamento recente da área trabalhista do escritório de advocacia Trench Rossi Watanabe, indica que entre 2020 e 2022, tramitaram em torno de 4 mil processos trabalhistas sobre o assunto – quase o dobro do registrado entre 2017 e 2019, quando havia 2,3 mil ações. Cabe ressaltar que judicialização decorrente do transtorno do esgotamento profissional aumentou em 72% durante a pandemia da covid-19.

Fonte: Fenajud

Últimas notícias

ver mais
Imagem Acessível: Há duas pessoas, um homem negro e uma mulher branca em trajes sociais em frente ao computador. O ambiente está escuro, iluminado somente pelo monitor, há vários computadores em bancadas com cadeiras vazias em frente. Conteúdo textual: Plantão de habeas corpus - TJMG realiza pagamentos apenas para plantões realizados até 2023 e sindicatos criticam falta de transparência. PLANTÃO DE HABEAS CORPUS TJMG REALIZA PAGAMENTOS APENAS PARA PLANTÕES REALIZADOS ATÉ 2023 E SINDICATOS CRITICAM FALTA DE TRANSPARÊNCIA sexta-feira, 12/04/24 18:50 O SINDOJUS/MG, o SERJUSMIG e o SINJUS-MG informam que a administração do Tribunal de ...
Imagem Acessível: Vista aérea do espaço de convivência na sede do TJMG, um lugar amplo, com muitos canteiros verdes em formatos orgânicos, gazebos e bem iluminado. Conteúdo textual: PRIORIDADES? - TJ REFORMULA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, MAS CONDIÇÕES PREDIAIS CONTINUAM INADEQUADAS. PRIORIDADES? TJ REFORMULA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, MAS CONDIÇÕES PREDIAIS CONTINUAM INADEQUADAS sexta-feira, 12/04/24 17:39 O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) inaugurou, nesta quinta-feira, 11 de abril, ...
TRANSPARÊNCIA AGO APROVA CONTAS DE 2023 E ORÇAMENTO 2024 DO SINJUS sexta-feira, 12/04/24 17:32 As filiadas e os filiados ao SINJUS-MG aprovaram, por unanimidade, nesta sexta-feira, dia 12 ...

Convênios

ver mais
Espaço GS Pilates Fisioterapia Coração de Jesus . Belo Horizonte (31) 98284-0699 15% ver mais
DROGA RAIA Convênios . Belo Horizonte, RMBH, Rio de Janeiro, São Paulo, sul do Brasil. www.drogaraia.com.br 17% a 44% ver mais
DROGASIL Convênios . Minas Gerais, São Paulo, Nordeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil www.drogasil.com.br 17% a 44% ver mais
Top Fale conosco