ANTIRRACISMO

COLETIVO DE NEGRAS E NEGROS DA FENAJUD REALIZA O PRIMEIRO ENCONTRO EM BH

sexta-feira, 10/11/23 17:21 Imagem Acessível: A fotografia retrata um grupo de pessoas em uma sala em prol do Coletivo de Negras e Negros da Fenajud. Conteúdo Textual: ANTIRRACISMO COLETIVO DE NEGRAS E NEGROS DA FENAJUD REALIZA PRIMEIRO ENCONTRO EM BH

Como estratégia de enfrentamento e combate ao racismo existente na sociedade brasileira, o Coletivo de Negras e Negros da Fenajud promoveu seu primeiro encontro nesta quinta-feira, 9 de novembro, em Belo Horizonte. O Coletivo tem como objetivo atuar na promoção da igualdade racial, organizando ações antirracistas dentro e fora do Judiciário brasileiro. Durante o encontro, que contou com diversos representantes sindicais da Federação, foram definidas diretrizes de trabalho, além dos próximos passos para a formação dos dirigentes e a periodicidade de reuniões e encontros.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 56% da população brasileira é autodeclarada negra. Apesar disso, o Diagnóstico Étnico-Racial elaborado pelo CNJ revela que, em 2023, apenas 14,5% dos magistrados e 29,1% dos servidores se autodeclararam pretos ou pardos. Para o coordenador-geral do SINJUS, Alexandre Pires, que também é coordenador de Assuntos Jurídicos da Fenajud, essa disparidade demonstra a importância da criação do Coletivo de Negras e Negros, bem como do SINJUS Antirracista.

“Esse primeiro encontro do Coletivo é parte fundamental no debate sobre racismo no Poder Judiciário. Dar espaço para que essa luta faça parte das nossas demandas é um dos compromissos da nossa gestão com os nossos filiados e com todos os brasileiros”, afirma.

O encontro foi um espaço aberto para o diálogo, onde todos os participantes puderam contribuir com ideias para o fortalecimento da luta. Entre os temas, foram pautados o investimento em letramento racial, a necessidade de reparação histórica, além de políticas de valorização dos afro-brasileiros que trabalham no Judiciário. Os participantes também decidiram questões administrativas sobre o Coletivo e suas demandas específicas.

“Pessoas do Brasil inteiro estiveram presentes para discutir a luta antirracista, que é tão urgente no nosso país, especialmente no serviço público. Como servidores, nós tornamos os direitos dos cidadãos mais acessíveis e precisamos garantir que isso seja realidade para toda a população”, declara o diretor de Formação e Política Sindical do SINJUS e vereador de Belo Horizonte, Wagner Ferreira.

Para Cleonice Amorim que integra, também, o Coletivo e foi dirigente do SINJUS, a criação do grupo reflete o compromisso com a luta antirracista e representa um importante passo no reconhecimento da necessidade de discussão do tema.

“Nós que somos do Judiciário temos uma instituição impregnada por preconceitos. É muito importante que isso seja avaliado para garantir que a população negra, que é historicamente discriminada e explorada, seja incluída e integrada de fato nos espaços de poder”, complementa.

Entre as demandas do Coletivo estão a criação de estratégias de fiscalização para impedir a diferença de tratamento entre os servidores quanto ao acesso às carreiras, a progressões, promoções ou funções gratificadas. Além disso, o Coletivo, através da Fenajud, também vai atuar junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que os tribunais estaduais sejam obrigados a colocar em funcionamento as comissões de equidade racial, e para agir de forma conjunta pelo cumprimento das cotas raciais nos tribunais, assim como a implementação do Pacto Nacional pela Equidade Racial delineado pelo CNJ.

Os encontros do coletivo devem ser bimestrais, e a data do próximo foi definida para final de fevereiro de 2024. Fique atento às nossas mídias sociais e acompanhe essa luta!

SINDICATO É PRA LUTAR!

Últimas notícias

ver mais
Imagem Acessível: Há duas pessoas, um homem negro e uma mulher branca em trajes sociais em frente ao computador. O ambiente está escuro, iluminado somente pelo monitor, há vários computadores em bancadas com cadeiras vazias em frente. Conteúdo textual: Plantão de habeas corpus - TJMG realiza pagamentos apenas para plantões realizados até 2023 e sindicatos criticam falta de transparência. PLANTÃO DE HABEAS CORPUS TJMG REALIZA PAGAMENTOS APENAS PARA PLANTÕES REALIZADOS ATÉ 2023 E SINDICATOS CRITICAM FALTA DE TRANSPARÊNCIA sexta-feira, 12/04/24 18:50 O SINDOJUS/MG, o SERJUSMIG e o SINJUS-MG informam que a administração do Tribunal de ...
Imagem Acessível: Vista aérea do espaço de convivência na sede do TJMG, um lugar amplo, com muitos canteiros verdes em formatos orgânicos, gazebos e bem iluminado. Conteúdo textual: PRIORIDADES? - TJ REFORMULA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, MAS CONDIÇÕES PREDIAIS CONTINUAM INADEQUADAS. PRIORIDADES? TJ REFORMULA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, MAS CONDIÇÕES PREDIAIS CONTINUAM INADEQUADAS sexta-feira, 12/04/24 17:39 O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) inaugurou, nesta quinta-feira, 11 de abril, ...
TRANSPARÊNCIA AGO APROVA CONTAS DE 2023 E ORÇAMENTO 2024 DO SINJUS sexta-feira, 12/04/24 17:32 As filiadas e os filiados ao SINJUS-MG aprovaram, por unanimidade, nesta sexta-feira, dia 12 ...

Convênios

ver mais
Espaço GS Pilates Fisioterapia Coração de Jesus . Belo Horizonte (31) 98284-0699 15% ver mais
DROGA RAIA Convênios . Belo Horizonte, RMBH, Rio de Janeiro, São Paulo, sul do Brasil. www.drogaraia.com.br 17% a 44% ver mais
DROGASIL Convênios . Minas Gerais, São Paulo, Nordeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil www.drogasil.com.br 17% a 44% ver mais
Top Fale conosco