DESVALORIZAÇÃO

Gestão de Zema em MG foi de desmonte na educação e de ataques ao meio ambiente

quarta-feira, 10/08/22 13:25 Na imagem há dois homens brancos caminhando juntos, ladeados por policiais federais que fazem a sua segurança. Um dos homens é mais baixo, tem cabelos grisalhos lisos, usa óculos e está com um colete que tem um aplique da bandeira de MG (Romeu Zema). O outro é mais alto, tem cabelos grisalhos lisos e está com uma jaqueta azul (Jair Bolsonaro).

Foto: Pedro Gontijo/ Imprensa MG

Amélia Gomes
Edição: Larissa Costa

Descaso no combate à pandemia e desvalorização dos servidores também são marcas do governo estadual

Apesar da tentativa de se desvencilhar de Jair Bolsonaro (PL), Romeu Zema (Novo) chega ao quarto ano de mandato com muitas semelhanças ao governo federal.

Segundo movimentos populares e especialistas, são marcas da política estadual o desmonte do Estado e os investimentos abaixo do mínimo obrigatório em áreas como saúde, educação e comunicação pública. Esta última, de acordo com denúncias do Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação (FNDC), assim como acontece no cenário nacional, foi aparelhada como máquina de campanha do governo.

O Brasil de Fato MG elenca abaixo alguns episódios polêmicos que desagradaram a população mineira.

Governador ou vendedor?

Sem forças na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Romeu Zema recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para impor o Regime de Recuperação Fiscal, que, entre outras coisas, coloca em risco patrimônios dos mineiros, como Cemig e a Copasa.

A venda das principais estatais do estado seria a cereja do bolo da gestão privatista do governo. Além do Aeroporto da Pampulha e da rodoviária de Belo Horizonte, já entregues à iniciativa privada, Zema quis vender empresas estratégicas para a economia e para o desenvolvimento energético de Minas Gerais, como a Codemig e a Gasmig.

“Ele é um defensor de que as empresas possam lucrar com o dinheiro público. Por isso, nós atuamos para defender que dinheiro público fortaleça o que é público”, comentou a deputada estadual Beatriz Cerqueira (PT).

Desmonte da educação pública

A educação também está em vias de privatização. Além do projeto Somar, que entrega a gestão de escolas públicas à iniciativa privada, a municipalização das instituições é uma das formas encontradas pelo governo para desmontar o ensino público.

“O saldo [do governo estadual] é de ausência completa de políticas públicas e de negação do direito constitucional à educação”, critica Denise Romano, coordenadora geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE). Recentemente, a categoria luta pelo pagamento do piso salarial estadual, negado por Zema.

A entidade denuncia que, nesses quatro anos, o investimento na educação esteve abaixo do mínimo exigido pela Constituição, que é de 25% do valor arrecadado em impostos, e que o executivo não cumpre as metas estabelecidas no Plano Estadual de Educação. Ao longo da gestão de Zema, mudanças estruturais, como a alteração no sistema de matrículas, causaram transtornos e evasões nas escolas.

Escândalo na Cemig

A investigação feita pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da ALMG concluiu que, entre outras denúncias, o vice-presidente do diretório estadual do Partido Novo, Evandro Negrão de Lima Júnior, teve influência em decisões importantes na Cemig, apesar de o empresário não ter cargo nem na estatal nem com o executivo estadual. Além disso, 40% dos cargos de chefia da empresa foram ocupados por comissionados.

Além do uso de mais de R$ 1 bilhão em uma contratação irregular, denúncias de espionagem contra os trabalhadores da estatal também vieram à tona. A recomendação final da CPI pediu o indiciamento de 16 pessoas por crimes de peculato, contratação direta ilegal, improbidade administrativa e corrupção passiva.

Para Emerson Andrada, coordenador do Sindicato dos Eletricitários de Minas Gerais (Sindieletro), o desmonte e o aparelhamento estatal foram uma estratégia de sucatear a empresa para a entregá-la à iniciativa privada. “O governador piora a Cemig e aponta para a população que, se privatizar, vai melhorar”, ressalta.

Serra do Curral e outros ataques ao meio ambiente

Zema começou seu mandato liberando uma série de licenças às mineradoras, inclusive à Vale que, em 2019, cometeu um dos maiores crimes socioambientais do país, com o rompimento da barragem em Brumadinho.

Além do acordo de reparação firmado com a mineradora, sem escuta às comunidades atingidas, em apenas um mês, o governador assinou cinco medidas que beneficiaram mineradoras no estado.

Atualmente, o executivo está em queda de braço com a população para liberar a mineração na Serra do Curral. O projeto pode colocar em risco o abastecimento e a saúde dos moradores da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“Sabemos que o governo Zema tem atuado para favorecer o empreendimento. Desde maio de 2021, ele segue adiando a votação definitiva do tombamento estadual da Serra”, denuncia o Movimento Tira o Pé da Minha Serra.

Com relação à proteção ambiental, a gestão Zema ficará marcada por não criar nenhuma unidade de conservação no estado e entregar para iniciativa privada 21 parques estaduais, entre eles Ibitipoca e Biribiri.

Fonte: Especial Brasil de Fato “4 anos de governo Zema”

Notícias relacionadas

Homem branco, sem barba, de cabelos grisalhos, usa um terno azul e óculos transparentes. Ele aponta o olhar para o lado esquerdo onde há uma aplicação digital de um selo preto, com texto em tons de laranja e amarelo, onde se lê "Não ao RRF". Conteúdo textual: #NAOAORRF - Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019
#NAOAORRF Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019 segunda-feira, 08/08/22 12:54 Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília Em 2020, Minas celebrou acordo com a União abrindo mão de R$ 126 bilhões Wallace Oliveira e Bruno Carvalho Edição: Elis Almeida   A gestão de Romeu Zema (Novo) teve mais recursos ... leia mais
Diante de um cenário infernal há uma parede em ruínas com a bandeira de Minas Gerais, ela está sendo destruída por uma bola de demolição onde se lê RRF (Regime de Recuperação Fiscal). Do lado esquerdo, está o governador de MG, Romeu Zema, um homem branco, de cabelos grisalhos, ele usa óculos de aros grossos e pretos e uma camisa social azul. Conteúdo textual:#NAOAORRF Regime de Recuperação Fiscal de Zema não vai melhorar a situação de MG, dizem especialistas.
#NAOAORRF Regime de Recuperação Fiscal de Zema não vai melhorar a situação de MG, dizem especialistas terça-feira, 09/08/22 12:46 Foto: GIL LEONARDI / IMPRENSA MG Ana Carolina Vasconcelos e Andressa Schpallir Edição: Larissa Costa   Depois de articular com Bolsonaro e passar por cima do legislativo mineiro, durante o mês de julho Romeu Zema (Novo) avançou na adesão ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
Foto de uma mulher de pele clara de cabelos pretos e longos usando blusa branca e óculos de grau usando o computador em seu home office. Aplicado sobre a foto ícones que remetem a tecnologia e comunicação em tons de azul. TRABALHO REMOTO NO TJMG ROTINAS FORAM APRIMORADAS COM O TELETRABALHO, GARANTEM SERVIDORES segunda-feira, 28/11/22 12:30 O sistema de teletrabalho no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) trouxe mais ...
Imagem de duas taças, com a logo da Festa de Fim de Ano do Sinjus-MG, brindando e ao fundo diversas pessoas em uma festa celebrando. Conteúdo textual: "Celebração. Festa de Fim de Ano do Sinjus terá muita diversão e reencontros. CELEBRAÇÃO FESTA DE FIM DE ANO DO SINJUS TERÁ MUITA DIVERSÃO E REENCONTROS segunda-feira, 28/11/22 12:22 Foi iniciada a contagem regressiva para o evento mais aguardado: a Festa de Fim ...
Montagem digital de um adesivo com a mensagem #REVOGAA16 sobre uma parede, o adesivo é tem cor de fundo amarelo com o texto em vermelho. #REVOGAA16 SINJUS CONVOCA SERVIDORES PARA ATO CONTRA A PORTARIA N. 16 DO TELETRABALHO sexta-feira, 25/11/22 19:24 Diante dos retrocessos que a Portaria n. 16/2022 da 1ª Vice-Presidência do Tribunal de ...
Top Fale conosco