#NAOAORRF

Regime de Recuperação Fiscal de Zema não vai melhorar a situação de MG, dizem especialistas

terça-feira, 09/08/22 12:46 Diante de um cenário infernal há uma parede em ruínas com a bandeira de Minas Gerais, ela está sendo destruída por uma bola de demolição onde se lê RRF (Regime de Recuperação Fiscal). Do lado esquerdo, está o governador de MG, Romeu Zema, um homem branco, de cabelos grisalhos, ele usa óculos de aros grossos e pretos e uma camisa social azul. Conteúdo textual:#NAOAORRF Regime de Recuperação Fiscal de Zema não vai melhorar a situação de MG, dizem especialistas.

Foto: GIL LEONARDI / IMPRENSA MG

Ana Carolina Vasconcelos e Andressa Schpallir
Edição: Larissa Costa

 

Depois de articular com Bolsonaro e passar por cima do legislativo mineiro, durante o mês de julho Romeu Zema (Novo) avançou na adesão de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

O projeto, criado pelo governo Temer (MDB) e atualizado por Bolsonaro (PL) é criticado por especialistas, economistas e servidores públicos. Para eles, a adesão ao RRF, além de não melhorar a situação do estado, pode deixá-la ainda pior.

Ao aderir à proposta, a dívida dos estados com a União pode ser suspensa e ter condições diferenciadas de pagamento ao longo de nove anos. Porém, ela é cobrada posteriormente com correções e juros. Em março deste ano, Minas devia aproximadamente R$ 105,6 bilhões.

Além disso, o regime impõe exigências, como a suspensão de concursos públicos, a proibição de reajustes salariais aos servidores e a privatização de empresas estatais.

Ao estabelecer disciplina fiscal rígida, a promessa do RRF é de que os estados irão melhorar sua performance e, consequentemente, obter mais condições de empréstimos.

Porém, na avaliação de Maria Aparecida Meloni, vice-presidenta da Associação Nacional das Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), a adesão ao regime implica na supressão de serviços essenciais e na perda de autonomia estatal.

“O RRF não vai melhorar a situação do estado. É uma proposta que já foi testada e não produziu os efeitos desejados. Ele restringe a capacidade do estado de investir ou de ampliar os serviços, e estabelece regras que ferem a autonomia federativa”, argumenta.

Dívida do Rio de Janeiro cresceu com RRF

O Rio de Janeiro foi o primeiro a aderir à proposta, em 2017. Com uma dívida que, na época, correspondia a 240% de sua receita, a expectativa era de que a situação do estado fosse melhorar. Porém, três anos depois, o Rio viu a dívida saltar para 310%.

“Não deu certo no Rio de Janeiro. O Regime tirou a autonomia do estado, quase que totalmente, obrigou a privatização de estatais públicas e criou uma situação muito delicada”, enfatiza Jairo Nogueira, presidente da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG).

Para garantir a continuidade do estado no programa, em 2021 o Rio de Janeiro privatizou a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Após a venda, a Cedae já contabilizava em fevereiro deste ano 1,8 mil demissões.

Alternativas

Em maio, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) votou favorável ao Projeto de Lei (PL) 3.711/2022, em resposta à insistência de Zema, que não conseguiu a aprovação do RRF no legislativo mineiro.

Diferente do regime, o PL autoriza que o estado confesse sua dívida com a União e a renegocie, com um prazo de 30 anos para pagamento.

Além dessa, especialistas afirmam que existem ainda outras alternativas ao RRF, como a revisão da dívida e o questionamento de valores cobrados irregularmente, com uma auditoria.

Dados do Tesouro Nacional demonstram que Minas quitou R$ 45,8 bilhões de juros e amortizações, entre 1998 e 2019. Porém, no mesmo período, a dívida do estado aumentou de R$ 14,9 bilhões para R$ 93,7 bilhões.

“Existem outras formas para que Minas Gerais acerte seu débito. Por exemplo, nunca se apurou o valor real que o estado deve”, defende Ronaldo Ribeiro, diretor do Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado de Minas Gerais (Serjusmig).

O sindicalista lembra ainda que o governo de Minas renunciou aos créditos que tinha com a União, em compensação pelas perdas da Lei Kandir. Na ocasião, Zema perdoou 90% dessa dívida e parcelou o restante em 25 anos, o que comprovaria que não há necessidade de adesão ao RRF.

Há quem defenda ainda que a própria arrecadação do estado seria suficiente para estabelecer um equilíbrio, voltar a pagar as parcelas da dívida, sem perder a capacidade de prestar serviços à sociedade e de investimentos.

“É possível equacionar fora do Regime. É preciso sentar e negociar com a União o retorno do pagamento da dívida ou uma carência”, argumenta Maria Aparecida Meloni.

Zema quer RRF a todo custo

Na ALMG, o Projeto de Lei (PL) 1202, de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, tramita desde 2019.

Em 2021, Zema encaminhou um pedido de urgência na apreciação da proposta. Porém, em meio a protestos dos movimentos populares e forte oposição dos parlamentares, o PL não foi ao plenário.

Em maio deste ano, Zema solicitou novamente urgência aos deputados e, sem alcançar seu objetivo, recorreu às articulações nacionais.

No início de julho, o governador se reuniu com Jair Bolsonaro e pediu seu apoio para a implementação da medida.

Após o encontro, uma decisão do ministro Nunes Marques, indicado pelo presidente ao STF, delegou ao Ministério da Economia a aprovação ou não da solicitação de Zema.

“Fazer isso no apagar das luzes, num ano de eleição, com a possibilidade de um novo governo em Minas, é um golpe que o Zema tem dado no estado. Como Minas não quis, ele conseguiu no tapetão”, critica Jairo, da CUT.

Dias depois, a resposta foi de que o estado está apto a aderir ao regime. Agora, o Ministério da Economia e o governo de Minas devem elaborar o Plano de Recuperação Fiscal, que descreve as medidas que serão tomadas nos próximos anos.

Sindicatos se mobilizam

No dia 5 de agosto, as categorias do funcionalismo público estadual realizaram um ato na Cidade Administrativa.  A mobilização foi deliberada em plenária ampliada, em julho. Outras ações estão previstas para agosto e para setembro. Além dos servidores estaduais, se somam à luta contra o RRF os metroviários, petroleiros e trabalhadores dos Correios.

Para Valéria Morato, presidenta da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), os servidores serão os primeiros a serem afetados com o Regime de Recuperação Fiscal.

“Os trabalhadores já não têm reposição salarial justa há anos e teriam seus salários congelados, além de outros direitos suspensos. Também seriam proibidas novas nomeações e realização de concursos públicos, prejudicando serviços que já são insuficientes e com carência de servidores”, afirma.

Fonte: Especial Brasil de Fato “4 anos de governo Zema”

Notícias relacionadas

Homem branco, sem barba, de cabelos grisalhos, usa um terno azul e óculos transparentes. Ele aponta o olhar para o lado esquerdo onde há uma aplicação digital de um selo preto, com texto em tons de laranja e amarelo, onde se lê "Não ao RRF". Conteúdo textual: #NAOAORRF - Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019
#NAOAORRF Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019 segunda-feira, 08/08/22 12:54 Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília Em 2020, Minas celebrou acordo com a União abrindo mão de R$ 126 bilhões Wallace Oliveira e Bruno Carvalho Edição: Elis Almeida   A gestão de Romeu Zema (Novo) teve mais recursos ... leia mais
Diante de um cenário infernal há uma parede em ruínas com a bandeira de Minas Gerais, ela está sendo destruída por uma bola de demolição onde se lê RRF (Regime de Recuperação Fiscal). Do lado esquerdo, há um sinal de proibição, dentro dele há um símbolo de uma lupa sobre um papel com um cifrão, que representa a fiscalização de finanças.
#DIGANAOAORRF RRF IMPEDE QUE MINAS CONTESTE VALORES OU FAÇA AUDITORIA DE DÍVIDAS quinta-feira, 04/08/22 17:42 Um dos grandes interesses do governo federal por trás do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) é a trava que impede aos estados que fizerem a adesão de moverem ações contra a União. Na prática, o dispositivo impede que Minas ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
Foto de uma mulher de pele clara de cabelos pretos e longos usando blusa branca e óculos de grau usando o computador em seu home office. Aplicado sobre a foto ícones que remetem a tecnologia e comunicação em tons de azul. TRABALHO REMOTO NO TJMG ROTINAS FORAM APRIMORADAS COM O TELETRABALHO, GARANTEM SERVIDORES segunda-feira, 28/11/22 12:30 O sistema de teletrabalho no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) trouxe mais ...
Imagem de duas taças, com a logo da Festa de Fim de Ano do Sinjus-MG, brindando e ao fundo diversas pessoas em uma festa celebrando. Conteúdo textual: "Celebração. Festa de Fim de Ano do Sinjus terá muita diversão e reencontros. CELEBRAÇÃO FESTA DE FIM DE ANO DO SINJUS TERÁ MUITA DIVERSÃO E REENCONTROS segunda-feira, 28/11/22 12:22 Foi iniciada a contagem regressiva para o evento mais aguardado: a Festa de Fim ...
Montagem digital de um adesivo com a mensagem #REVOGAA16 sobre uma parede, o adesivo é tem cor de fundo amarelo com o texto em vermelho. #REVOGAA16 SINJUS CONVOCA SERVIDORES PARA ATO CONTRA A PORTARIA N. 16 DO TELETRABALHO sexta-feira, 25/11/22 19:24 Diante dos retrocessos que a Portaria n. 16/2022 da 1ª Vice-Presidência do Tribunal de ...
Top Fale conosco