FRENTE DE LUTA

DEBATE COM LIDERANÇAS NEGRAS MARCA O LANÇAMENTO DO SINJUS ANTIRRACISTA

quinta-feira, 11/05/23 19:55 Visão do auditório lotado durante a palestra da Dra. Lívia Sant'Anna Vaz, que fala ao microfone. Ela é uma mulher negra de cabelos cacheados de comprimento médio, ela veste um vestido com estampa colorida.

Nessa quarta-feira, dia 10 de maio, o SINJUS-MG reuniu dezenas de lideranças de movimentos negros e sociais para discutir o combate ao racismo e ao sexismo em nossa sociedade. O evento também marcou o início de uma atuação estruturada e articulada do Sindicato na luta antirracista nesta gestão 2023-2026.

O debate contou com a presença da promotora de Justiça do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) Lívia Sant’Anna Vaz e teve o objetivo de instrumentalizar o público quanto às formas com que o racismo estrutural se manifesta e propor caminhos para intensificar a luta contra as violências sistematicamente direcionadas aos povos negros.

Durante a sua apresentação, Lívia Sant’Anna Vaz fez uma contextualização sobre o genocídio, a escravização, a marginalização e a discriminação às quais homens e mulheres de ascendência africana e indígena sofreram e ainda sofrem todos os dias. A promotora ressaltou que até mesmo os ordenamentos jurídicos e as constituições promulgadas no Brasil têm vieses racistas.

Na cronologia, um dos exemplos é a Lei do Ventre Livre, de 1871, que, em vez de libertar os filhos das escravas, garantia aos donos de escravos receber uma indenização quando as crianças chegassem aos oito anos de idade ou tratavam de escravizá-los dos  oito aos 21 anos de idade.

A Lei Áurea, de 1888, também escancara como o último país das Américas a abolir a escravidão sempre buscou beneficiar a elite branca, não prevendo nenhum tipo de indenização, suporte ou cessão de terras para que os negros libertos pudessem se sustentar. Por outro lado, o Estado brasileiro certificou-se que os imigrantes europeus tivessem acesso garantido a empregos e a terras assim que desembarcassem nos portos. Uma flagrante tentativa de “branquear” a população.

Ainda hoje, a sociedade, as empresas, as instituições de Poder e o sistema de Justiça imprimem uma cultura que subjuga os negros e negras, colocando barreiras para que esses frequentem certos espaços e ocupem cargos de chefia.

“Temos que desvendar os olhos da Justiça para que ela veja a série de desigualdades no nosso país”, afirmou Lívia Sant’Anna Vaz.

A promotora reforçou ainda que a questão racial não pode ser tratada de forma isolada, pois é preciso entender as diferentes opressões que afetam as mulheres negras, como a questão de gênero, classe social, homofobia, intolerância religiosa, entre várias outras.

SINJUS intensifica a luta contra o racismo

O encontro realizado no auditório da Faculdade de Direito da UFMG reuniu cerca de 100 pessoas envolvidas com movimentos e projetos voltados para defender os povos negros e indígenas. O objetivo do SINJUS com esse debate foi o de ouvir, estabelecer diálogo e aprender com aqueles que estão há anos e há décadas empenhados na luta antirracista. Assim, o Sindicato poderá se estruturar para também ser um agente ativo na conscientização e mobilização dos servidores do Judiciário em torno dessa bandeira.

Entre os participantes esteve uma das principais vozes dos movimentos negros em Minas Gerais, a jornalista e ativista social Diva Moreira. Com um histórico de lutas contra a política manicomial e em defesa da anistia política, da redemocratização, do Sistema Único de Saúde, dos povos negros e indígenas e do feminismo, ela destacou que a sociedade está em dívida.

“Da parte dos movimentos sociais houve avanços extraordinários, porque, desde o início da República, estamos em luta permanente pela democratização. Agora, da parte da sociedade e do Estado brasileiro não houve avanço. Os indicativos estão na fala da doutora Lívia e nas manifestações do público presente”, denunciou Diva Moreira.

Após a palestra, os participantes puderam expor violências sofridas no dia a dia, relatar os desafios de se combater o racismo no ciclo familiar, social e no local de trabalho, bem como fazer proposições e perguntas à convidada Lívia Sant’Anna Vaz.

“Promovemos esse evento para discutir e questionar o racismo institucional e estrutural em nossa sociedade”, afirmou o diretor de Assuntos Sociais, Culturais e de Saúde do SINJUS, Jonas Araújo.

“Vamos provocar, disseminar e impulsionar ações antirracistas, porque a gente precisa, além de falar, estar cotidianamente envolvido com esse assunto”, complementou a integrante do SINJUS Antirracista, Cleonice Amorim.

O SINJUS está planejando novas iniciativas para colocar em evidência questões relacionadas aos direitos humanos e à justiça social. O objetivo é contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, e a luta contra o racismo e o sexismo é uma das suas prioridades. Acompanhe as nossas mídias e fique informado sobre as próximas atividades.

SINDICATO É PRA LUTAR!

Notícias relacionadas

Ilustração digital com uma balança com um cifrão em sua base. Do lado mais pesado da balança está uma peça de xadrez branca, o rei, do outro lado, com menos peso estão seis peças na cor preta, os peões.
NESTA QUARTA EVENTO DO SINJUS VAI DEBATER DESIGUALDADES RACIAIS NA SOCIEDADE BRASILEIRA terça-feira, 09/05/23 19:46 O Brasil é conhecido como um país multiétnico, mas o traço mais marcante da nossa sociedade é o racismo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de pretos e de pardos na parcela da ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
No primeiro plano há um gráfico com duas setas, uma ascendente na cor verde marcada como Produtividade e outra descendente na cor vermelho onde está escrito valorização. No segundo plano há a imagem do edifício sede do tribunal de Justiça de Minas Gerais. DESVALORIZAÇÃO TJMG SUPERA METAS DE PRODUTIVIDADE, MAS NEGLIGENCIA DIREITOS DOS SERVIDORES quinta-feira, 22/02/24 17:56 Na última terça-feira, dia 20 de fevereiro, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais ...
Registro de uma sessão no plenário do Supremo Tribunal Federal, com os ministros vestidos com togas pretas sentados em uma mesa, o ambiente aparenta muita formalidade. Sobre essa imagem há um selo preto grande que simula um adesivo, nele há a mensagem "Não ao RRF!". NÃO AO RRF! STF CONFIRMA AMPLIAÇÃO DO PRAZO DE SUSPENSÃO DA DÍVIDA DE MG, E SINDICATOS COBRAM ACORDO quarta-feira, 21/02/24 17:49 Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) referendou nessa terça-feira, dia ...
montagem mostra uma mulher negra de costas, vestida com uma blusa branca, ela tem um laptop à sua frente e está com as mãos sobre o teclado, as unhas dela estão pintadas com esmalte vermelho. Na tela do computador, há uma tela onde há quatro pessoas, participantes de uma live do Sindicato SINTAJ-PB, em um dos quadros está o coordenador-geral do SINJUS-MG, Alexandre Pires, um homem branco, de cabelos bem curtos e barba bem curta. Conteúdo textual: Isonomia - Alexandre Pires defende Auxílio-Saúde digno para servidores do Judiciário em live do SINTAJ-PB. ISONOMIA ALEXANDRE PIRES DEFENDE AUXÍLIO-SAÚDE DIGNO PARA SERVIDORES DO JUDICIÁRIO EM LIVE DO SINTAJ-PB quarta-feira, 21/02/24 15:06 FOTO: DC Studio / Freepik Nessa segunda-feira, dia 19 de fevereiro, o coordenador-geral do ...

Convênios

ver mais
Espaço GS Pilates Fisioterapia Coração de Jesus . Belo Horizonte (31) 98284-0699 15% ver mais
Fábio Augusto Provinciali Terapias integrativas Funcionários . BH (31) 99261-4235 10% ver mais
DROGA RAIA Convênios . Belo Horizonte, RMBH, Rio de Janeiro, São Paulo, sul do Brasil. www.drogaraia.com.br 17% a 44% ver mais
DROGASIL Convênios . Minas Gerais, São Paulo, Nordeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil www.drogasil.com.br 17% a 44% ver mais
Top Fale conosco