DATA-BASE

INFLAÇÃO BATE RECORDE E REDUZ PODER DE COMPRA DO SERVIDOR

terça-feira, 14/09/21 16:58 Nota de 50 reais queimando sinalizando a perda inflacionária

Foto: Pexels

A falta de um plano estruturado de ampliação dos investimentos, os gargalos provocados pela deterioração do Real no mercado internacional e o risco de apagão energético são apenas alguns dos elementos que estão alimentando a escalada de preços no Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos últimos 12 meses, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) já acumula 9,68%. Essa situação agrava ainda mais a perda salarial dos servidores do Judiciário mineiro, que estão com duas Datas-Bases atrasadas. Por isso, o assunto será tratado com prioridade pelo SINJUS-MG na reunião desta quarta-feira, dia 15 de setembro, com a Administração do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

No mercado, já há agentes econômicos prevendo que o Brasil voltará a ter uma inflação de dois dígitos neste ano. A perspectiva está fundamentada na incapacidade do governo de atrair investimentos e gerar empregos e na reconhecida capacidade de gerar crises que colocam em xeque a estabilidade do País. De janeiro a agosto, o IPCA já está em 5,67%, enquanto a meta que havia sido definida pelo Banco Central para todo o ano de 2021 era de 3,75%.

Além da perda do poder de compra, perceptiva para quem vai ao supermercado, ao posto de gasolina ou à farmácia, o sistema vigente no Brasil também é perverso por favorecer os governos à medida que a inflação aumenta. Isso acontece porque a maior parte da carga tributária no Brasil incide sobre o consumo, sobre o preço final dos produtos.

Assim, quanto mais caro fica o pão, a gasolina e o remédio, maior é a arrecadação do governo. É isso que justifica a arrecadação recorde da União no mês de julho, de R$ 171,27 bilhões. O valor para o mês da série histórica iniciada em 1995.

“A falta de planos que busquem o desenvolvimento do Brasil está cobrando o preço agora. Nos últimos anos, os governos implementaram várias medidas de arrocho e precarização do trabalho e da renda. Agora, com desemprego afetando mais de 14,4 milhões de brasileiros, com o crescimento do Brasil limitado devido à escassez de energia e a inflação galopante, quem sofre são os trabalhadores e os servidores públicos, que estão sem a recomposição salarial”, afirma o coordenador-geral do SINJUS, Alexandre Pires.

Salário corroído pela inflação no Judiciário mineiro

Com o resultado do IPCA de agosto, as perdas das servidoras e dos servidores do TJMG desde 2014, quando algumas Datas-Bases deixaram de cobrir o todo o percentual da inflação, como determina a Lei 18.909/2010, é de 18,24%. Praticamente um quinto do vencimento.

“A retomada de diálogo com o TJMG está sendo positiva e com resultados em importantes demandas, mas a Data-Base sempre será destaque na pauta. Como o Tribunal já aprovou o seu orçamento para 2022 no Órgão Especial, esperamos que negociações acerca dos índices de revisão geral anual possam avançar agora”, diz Alexandre Pires.

A reunião entre os sindicatos representantes dos servidores e a Administração do TJMG será nesta quarta-feira, dia 15 de setembro. Acompanhe as mídias do SINJUS para ficar informado sobre os assuntos de seu interesse.

SINDICATO É PRA LUTAR!

Notícias relacionadas

REUNIÃO COM SINDICATOS TJ DARÁ INÍCIO AO TRÂMITE PARA DEFINIÇÃO DA DATA-BASE terça-feira, 10/08/21 18:41 Na manhã desta terça-feira, dia 10 de agosto, o SINJUS-MG, o Serjusmig e o Sindojus/MG se reuniram com a Administração do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para dar prosseguimento às negociações envolvendo demandas das servidoras e dos ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
À esquerda há uma fita preta em sinal de luto, ao lado da fita está a foto de um homem negro com cabelos grisalhos e crespos falando ao microfone, abaixo dele está seu nome José Roberto Pereira, acompanhado da data de seu falecimento 7/8/2022. LUTO NOTA DE PESAR segunda-feira, 08/08/22 14:48 É com pesar que comunicamos o falecimento do querido colega José Roberto Pereira, ocorrido ...
Homem branco, sem barba, de cabelos grisalhos, usa um terno azul e óculos transparentes. Ele aponta o olhar para o lado esquerdo onde há uma aplicação digital de um selo preto, com texto em tons de laranja e amarelo, onde se lê "Não ao RRF". Conteúdo textual: #NAOAORRF - Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019 #NAOAORRF Zema vai entregar o Estado com mais dívidas do que recebeu em 2019 segunda-feira, 08/08/22 12:54 Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília Em 2020, Minas celebrou acordo com a ...
Grupo de manifestantes da 'Frente de Sindicatos do Funcionalismo contra o RRF' estão em frente à Cidade Administrativa, sede do Governo de MG. Eles estão com faixas de protesto contra o Regime de Recuperação Fiscal. Neste grupo estão dirigentes sindicais do SINJUS- MG, Alexandre Pires (coordenador-geral) e Felipe Rodrigues (diretor de finanças). #NAOAORRF ATO CONTRA RRF REÚNE CENTENAS DE SERVIDORES NA CIDADE ADMINISTRATIVA sexta-feira, 05/08/22 18:03 Entidades que representam servidores públicos de várias categorias se reuniram nesta sexta-feira, 5 de ...
Top Fale conosco