DEFESA DO SERVIDOR

PROGRAMA DE LUTAS UNIFICADO VAI NORTEAR AÇÕES DAS LIDERANÇAS SINDICAIS

quarta-feira, 01/06/22 18:19 Auditório cheio com pessoas de braços levantados com um cartão nas mãos, em gesto de aprovação ao Programa de Lutas Unificado. Conteúdo textual: Defesa do servidor – Programa de Lutas Unificado vai nortear ações das lideranças sindicais.

Diversas categorias do funcionalismo estadual aprovaram, durante o 1º Seminário Unificado dos Servidores Públicos de Minas Gerais, evento integrante do 12º CONSINJUS, uma série de pautas que passam a compor o Programa de Lutas Unificado. O objetivo é unir esforços para a realização de ações mais abrangentes e estruturadas em defesa do serviço público. O documento também vai ser fundamental para que as lideranças sindicais possam atuar politicamente em favor dos direitos das servidoras e dos servidores.

O Programa de Lutas Unificado foi assinado pelo Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG), Sindicato dos Servidores do Ipsemg (SISIPSEMG), Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais (SINDPÚBLICOS-MG), Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (SINDSEMPMG), Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado de Minas Gerais (SINDOJUS/MG) e pela Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB).

De acordo com o diretor de Assuntos Jurídicos do SINJUS, Wagner Ferreira, o Programa de Lutas Unificado é uma importante iniciativa porque une esforços em prol de demandas comuns a várias categorias.

“Os governos federal e estadual tentam a todo custo jogar a culpa pelo fracasso das suas políticas de desenvolvimento econômico para os servidores. Há uma campanha estruturada que está colocando a sociedade contra o funcionalismo. Precisamos fazer frente a esses ataques e mostrar a realidade, pois somente com um serviço público forte o cidadão e a cidadã terão uma melhor qualidade de vida”, afirma o dirigente.

Entre os eixos macros, o documento lista ações voltadas para o combate às reformas administrativas, à precarização dos serviços prestados à sociedade, à terceirização, à privatização do patrimônio público e à adesão de Minas ao Regime de Recuperação Fiscal.

Essas são lutas que estão e continuarão sendo travadas sobretudo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e no Congresso Nacional. Por isso, as categorias também estão alinhadas na construção de candidaturas que venham representar e defender os interesses e direitos dos servidores mineiros nos parlamentos.

“A atividade sindical está profundamente ligada à política, pois é no Legislativo que direitos são conquistados ou derrubados. Por isso, vamos nos comprometer com esse Programa Unificado de Lutas e atuar para que essas reivindicações importantes se tornem legislações que preservem o serviço público, com especial enfoque nos itens que tratam da Data-Base, dos planos de carreira, da Previdência Social, do Ipsemg, da igualdade de oportunidades para mulheres e pessoas com deficiência, entre outros”, complementa Wagner Ferreira.

PROGRAMA DE LUTAS UNIFICADO

O Programa de Lutas Unificado, aprovado durante o 1º Seminário Unificado dos Servidores Públicos de Minas Gerais, tem seis eixos centrais que contemplam pautas pelas quais os sindicatos, as lideranças sindicais e os servidores se comprometeram a defender. Além dos temas mais abrangentes, ele também se propõe a avançar em questões que têm afetado diretamente o cotidiano do servidor no seu respectivo órgão ou Poder, como as políticas de combate a assédios moral e sexual e à discriminação, e as que preveem mais qualidade no ambiente de trabalho, bem como os procedimentos relacionados às novas formas de exceção das atribuições por meio do teletrabalho.

A íntegra do documento (clique aqui e acesse) traz um breve diagnóstico de cada um dos eixos e, em seguida, apresenta proposições. Confira abaixo as linhas centrais do Programa de Lutas Unificado e as ações aprovadas:

  1. Conjuntura política e direito dos servidores
  • ampliar as ações conjuntas nas lutas em favor do funcionalismo;
  • desenvolver campanhas de comunicação acerca da importância do serviço público com o objetivo de combater a desinformação propagada por políticos contra os servidores;
  • fomentar a participação da população na formulação das políticas públicas;
  • lutar por novas legislações que reduzam a ingerência política na administração pública nas três esferas de poder;
  • trabalhar para que servidores públicos sejam eleitos para representar e defender os direitos das categorias em câmaras municipais, assembleias legislativas e no Congresso Nacional;
  • diagnosticar e denunciar os efeitos nocivos da terceirização e da precarização dos serviços públicos à sociedade;
  • defender a revogação da Emenda Constitucional 95 (“Teto de gastos”);
  • combater as reformas administrativas em curso no plano federal (PEC 32/2020) e estadual (PEC 57/2020), promovendo ações específicas para servidores e para a sociedade;
  • realizar campanha conjunta em prol do concurso público.
  1. Alternativas à proposta de adesão de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal do governo federal
  • realização de auditoria da dívida de Minas Gerais com a União;
  • criação de regramentos que impeçam o mau uso do dinheiro público e a concessão injustificada de isenções fiscais;
  • reestruturação dos órgãos de controle e fiscalização para um melhor combate à sonegação fiscal;
  • maior rigor e mais contrapartidas em programas de refinanciamento de dívidas com o poder público;
  • cancelamento de isenções fiscais e aumento das fiscalizações de atividades minerárias;
  • aumento dos impostos sobre transferências de grandes fortunas e heranças;
  • proteção do patrimônio público de Minas Gerais, impedindo a privatização das empresas estatais, como a Cemig, Copasa e Codemig;
  • defesa dos institutos de Previdência Social dos servidores públicos;
  • manutenção e fortalecimento do regime próprio de Previdência Social.
  1. Data-Base e plano de carreira para toda as categorias
  • criação do plano de carreira para as categorias que ainda não o possuem;
  • adequação dos planos de carreira frente à nova realidade do serviço público;
  • defesa dos benefícios e direitos referentes às promoções por tempo de serviço e por desempenho;
  • aprovação de legislações específicas, conforme o disposto no artigo 37, inciso X, da Constituição Federal de 1988, assegurando o direito à Data-Base e fixando data anual para a sua vigência, resguardando a independência e a autonomia dos Poderes e dos órgãos superiores da administração pública;
  • cumprimento da recomposição integral da inflação do período negociado por parte da administração pública.
  1. Igualdade de oportunidades para homens e mulheres no serviço público
  • implementação de políticas de combate à discriminação de gênero e respeito à diversidade sexual na administração pública;
  • criação de comitês de combate aos assédios moral e sexual em órgãos e entidades;
  • instituição de redes de proteção e suporte a servidoras vítimas de violências nos ambientes profissional e familiar;
  • garantia de ambientes adequados ao trabalho das mulheres, principalmente as grávidas, puérperas e lactantes;
  • veiculação de campanhas de sensibilização da sociedade quanto às responsabilidades da paternidade;
  • fomento e apoio para o desenvolvimento de lideranças femininas no ambiente de trabalho dos órgãos públicos e também nas entidades sindicais.
  1. Adoção responsável do teletrabalho no serviço público
  • aprovar legislações que assegurem a saúde e os direitos dos servidores no teletrabalho;
  • instituição de comissões de teletrabalho no âmbito dos órgãos públicos com vagas asseguradas para os representantes dos servidores;
  • assegurar junto aos órgãos públicos a disponibilização de infraestrutura adequada e recursos para a execução das atividades de forma remota;
  • realização de programas, cursos e treinamentos referentes à ergonomia com a devida capacitação dos gestores;
  • adoção de sistemas de controle de jornadas dos servidores, com vedações de contatos fora do horário de expediente ou computação como hora extra;
  • adequação das metas conforme condições especiais do trabalho e do próprio servidor;
  • instituição de normas claras e objetivas quanto ao enquadramento de acidentes e doenças laborais decorrentes do teletrabalho;
  • edição de lei que obrigue órgãos superiores a divulgar nos portais de transparência a economia gerada com a adoção do teletrabalho, bem como a destinar esses recursos na melhoria das condições de trabalho.
  1. Acessibilidade e inclusão de servidores com deficiência no serviço público
  • cobrar das administrações públicas o pleno cumprimento do Estatuto da Pessoa com Deficiência;
  • lutar pela criação e execução de políticas institucionais de inclusão por parte das diretorias de Recursos Humanos dos órgãos públicos;
  • reivindicar a criação de espaços de escuta e de denúncias, tanto na administração pública quanto nas entidades sindicais;
  • atuar pela formulação de leis e normas que obriguem a comunicação inclusiva em todos os meios de comunicação oficial de órgãos públicos, incluindo portais de internet e páginas em mídias sociais;
  • exigir acessibilidade e adequação dos espaços físicos em órgãos públicos.

Acompanhe as mídias do SINJUS-MG para ficar informado sobre outros desdobramentos do 12º CONSINJUS e do 1º Seminário Unificado dos Servidores Públicos de Minas Gerais, além, é claro, das ações promovidas a partir das deliberações.

SINDICATO É PRA LUTAR!

 

Últimas notícias

ver mais
Imagem título: Deputados estaduais mineiros que votaram a favor da Reforma da Previdência. Lembre-se deles #3. Em seguida estão fotos dos seguintes parlamentares por ordem alfabética: Alencar da Silveira Jr. (PDT), Antonio Carlos Arantes (PSDB), Arlen Santiago (PTB), Bartô (Novo), Betinho Pinto Coelho (Solidariedade), Bosco (Avante), Braulio Braz (PTB), Bruno Engler (PRTB), Carlos Henrique (Republicanos), Carlos Pimenta (PDT), Celise Laviola (MDB), Charles Santos (Republicanos), Coronel Henrique (PSL), Coronel Sandro (PSL), Cássio Soares (PSD), Dalmo Ribeiro Silva (PSDB), Delegada Sheila (PSL), Delegado Heli Grilo (PSL), Doorgal Andrada (Patriota), Doutor Paulo (Patriota), Doutor Wilson Batista (PSD), Duarte Bechir (PSD), Fábio Avelar de Oliveira (Avante), Gil Pereira (PSD), Glaycon Franco (PV), Guilherme da Cunha (Novo), Gustavo Mitre (PSC), Gustavo Santana (PL), Gustavo Valadares (PSDB), Hely Tarquínio (PV), Inácio Franco (PV), Ione Pinheiro (DEM), João Magalhães (MDB), João Vítor Xavier (Cidadania), Laura Serrano (Novo), Leandro Genaro (PSD), Leonídio Bouças (MDB), Léo Portela (PL), Mário Henrique Caixa (PV), Neilando Pimenta (Podemos), Noraldino Júnior (PSC), Professor Irineu (PSL), Professor Wendel Mesquita (Solidariedade), Raul Belém (PSC), Repórter Rafael Martins (PSD), Roberto Andrade (Avante), Rosângela Reis (Podemos), Sargento Rodrigues (PTB), Sávio Souza Cruz (MDB), Tadeu Martins Leite (MDB), Tito Torres (PSDB), Zé Guilherme (PP), Zé Reis (Podemos). “SE VOTOU, NÃO VOLTA” NÃO SE ESQUEÇA DE QUEM PREJUDICOU SUA APOSENTADORIA sexta-feira, 23/09/22 18:23 Há exatos dois anos, o então governador de Minas, Romeu Zema (NOVO), retirava direitos ...
dirigentes e profissionais de comunicação de sindicatos filiados à Fenajud (homens e mulheres) posam para foto. FENAJUD ENCONTRO DE COMUNICAÇÃO DEBATE FERRAMENTAS PARA ATUAÇÃO SINDICAL sexta-feira, 23/09/22 17:26 Foto: fenajud No último dia 16 de setembro, a Federação Nacional dos Trabalhadores do ...
Representação de redes sociais e aplicativos interconectados, abaixo desta imagem há o texto "Conversa com o candidato". Em destaque está a foto do candidato Carlos Viana, um homem branco com cabelos curtos e grisalhos. Conteúdo textual: AO VIVO - “Conversa com o Candidato” recebe Carlos Viana na 2ªf., 26/9, às 10h. AO VIVO “CONVERSA COM O CANDIDATO” RECEBE CARLOS VIANA NA 2ªF., 26/9, ÀS 9H sexta-feira, 23/09/22 12:43 O candidato ao governo de Minas Gerais pelo Partido Liberal (PL), Carlos Viana, é ...
Top Fale conosco