ELEIÇÕES TJMG

SINJUS ENTREVISTA A CANDIDATA À PRESIDÊNCIA, DESEMBARGADORA MARIANGELA MEYER PIRES FALEIRO

segunda-feira, 25/04/22 17:57 Mulher branca, de cabelos lisos, loiros e com corte médio. Ela tem olhos castanhos e veste uma toga. Ao fundo está um vitral com um mosaico.

Foto: TJMG

As eleições para o novo comando do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) serão realizadas na próxima sexta-feira, 29 de abril. Apesar de as servidoras e os servidores não terem direito ao voto – apenas os desembargadores –, essa é uma escolha que interfere diretamente nos direitos da categoria até 2024.

O SINJUS-MG considera fundamental saber o posicionamento de cada um dos candidatos em relação às principais questões de interesse dos servidores. Por isso, convidou cada um dos quatro candidatos à Presidência a participarem de uma entrevista exclusiva ao Sindicato.

Concorrem ao cargo, os desembargadores Afrânio Vilela, Antônio Carlos Cruvinel, José Arthur Filho e a desembargadora Mariangela Meyer Pires Faleiro.

Ressaltamos que todos os candidatos foram convidados ao mesmo tempo e receberam as mesmas perguntas. Optamos por publicar as respostas em ordem alfabética. Dois candidatos ainda não enviaram suas respostas. O Sindicato divulgará as entrevistas deles assim que tiver retorno.

Confira abaixo a entrevista com a desembargadora Mariangela Meyer Pires Faleiro, a primeira mulher a disputar a Presidência do TJMG. Atualmente, a magistrada é superintendente-adjunta da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) e já exerceu a 3ª Vice-Presidência na gestão passada e o cargo de ouvidora-geral do Tribunal, em 2012 e 2013.

SINJUS-MG – Os servidores aptos a concorrer à Promoção Vertical, muitas vezes, ficam prejudicados porque investem em qualificação, mas se deparam com a falta de vagas nas classes. Os Sindicatos reivindicam o fim desse limite de vagas, garantindo-se o direito à promoção para o servidor que preencher todos os requisitos exigidos pelo Tribunal. Qual o entendimento de V.Exa. sobre isso?

Des.ª Mariangela – Tenho acompanhado constantemente a realidade administrativa do nosso Tribunal e estou a par dessa deficiência de vagas nas classes para aqueles que pretendem a promoção. Penso que a responsabilidade de gestão está justamente na necessidade de efetuar estudos de todas as questões que envolvem o caso, pois existem desafios administrativos a serem vencidos, tais como este relativo ao gargalo na carreira dos servidores, e a solução somente será encontrada por meio do diálogo franco e aberto.

 

SINJUS-MG – Os vencimentos iniciais dos servidores do Judiciário mineiro estão entre os últimos no ranking nacional, gerando evasão e rotatividade no quadro funcional – prejuízos institucionais reconhecidos, inclusive, pelo próprio Tribunal. No entendimento de V.Exa. qual seria a solução para este problema?

Des.ª Mariangela – Importante ressaltar de início que ingressei no Poder Judiciário mineiro como servidora efetiva há mais de quarenta anos, portanto, conheço bem as funções e necessidades da maioria dos cargos. Entrei para magistratura há e trinta e dois anos e, tendo ocupado o cargo de Vice-Presidente do Tribunal, pude participar diretamente das negociações para implementação de melhorias para os servidores, como a elevação de alguns níveis iniciais à época. Uma das obrigações assumidas no meu plano de gestão é o de manter permanente diálogo com os representantes dos servidores e, com isso tentarmos encontrar juntos e dentro de princípios republicanos, a melhor solução para esse grave problema de evasão e rotatividade, o que passa pela busca constante da valorização das pessoas que compõem nosso Tribunal.

 

SINJUS-MG – A Mesa de Negociação Permanente com os Sindicatos é um importante mecanismo implementado para garantir acordos em relação às reivindicações dos servidores e evitar conflitos. Qual o entendimento de V.Exa. sobre isso?

Des.ª Mariangela – Não tenho dúvidas de que a Mesa Permanente de Negociação, envolvendo sindicatos e a direção do Tribunal, é um mecanismo fundamental para garantir acordos que possam atender bem as justas pretensões e reivindicações dos servidores, e devolver a eles o sentimento de pertencimento a esta grandiosa instituição que é o Tribunal de Justiça. Portanto, penso que ela deverá ser mantida.

 

SINJUS-MG – O Fundo Especial do Poder Judiciário (FEPJ) é superavitário e poderia ser utilizado para melhorar a estrutura de comarcas de Minas Gerais ou ser utilizado para a nomeação de novos servidores e juízes. O SINJUS-MG pleiteia participação no grupo gestor do Fundo, o que poderia, inclusive, contribuir para o atendimento das demandas dos servidores. V.Exa. aceitaria a participação dos Sindicatos no FEPJ?

Des.ª Mariangela – É importante que se compreenda que o Fundo Especial do Poder Judiciário foi instituído para fazer frente às despesas de custeios e investimentos. Já no que diz respeito à área de pagamento de pessoal, a fonte orçamentária é outra, ou seja, provem de recursos do orçamento ordinário do Estado, portanto, direto do Tesouro Estadual. E essa é uma situação que não pode ser alterada. Se, eventualmente, o Fundo Especial do Poder Judiciário fosse utilizado para a nomeação de novos servidores e juízes, estaria sendo desvirtuada sua finalidade. Portanto, o nosso Fundo Especial precisa ser preservado pra cumprir a finalidade para a qual foi criado. Sua importância é inegável, vez que ele tem feito a diferença nos investimentos e custeios do Tribunal de Justiça. Com os recursos do FEPJ podem ser pagos os auxílios, tem sido adquiridos equipamentos para melhorar a jurisdição e as condições de trabalhos de todos. Além disso, as construções e reformas dos Fóruns e edifícios de utilização do Tribunal têm sido bancadas por este Fundo, bem como a contratação dos terceirizados e estagiários, etc.

 

SINJUS-MG – O Auxílio-Saúde dos servidores do Judiciário mineiro está entre os últimos no ranking nacional dos tribunais estaduais. O reajuste dos benefícios é uma medida importante já que, atualmente, possui um valor baixo, não cumprindo assim sua finalidade. Além disso, seria uma forma de valorizar a categoria, com recursos oriundos do superavitário Fundo Especial do Poder Judiciário. V.Exa. considera que é preciso reajustar o valor do benefício?

Des.ª Mariangela – Reconheço a defasagem do auxílio saúde pago aos servidores, e certamente tratarei do tema com as entidades representativas da categoria com muito diálogo, transparência e seriedade.

Notícias relacionadas

#ImagemAcessível: Foto da fachada do edifício-sede do TJMG. Conteúdo Textual: Eleições. Definidos os candidatos à direção do TJMG para o biênio 2022-2024.
ELEIÇÕES DEFINIDOS OS CANDIDATOS À DIREÇÃO DO TJMG PARA O BIÊNIO 2022-2024 sexta-feira, 25/03/22 19:02 Créditos: Divulgação/Sinjus-MG  Nesta sexta-feira, dia 25 de março, às 18h, encerrou o prazo para registro de candidaturas aos cargos de direção do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para o biênio 2022-2024. Estão concorrendo à Presidência os desembargadores ... leia mais
Homem branco de cabelos lisos, grisalhos e curtos, seus olhos são castanhos. Ele veste uma toga por cima de um traje social, atrás dele estão as bandeiras do Brasil e do estado de Minas Gerais. Conteúdo textual: ELEIÇÕES TJMG - SINJUS entrevista o candidato à Presidência, desembargador José Afrânio Vilela.
ELEIÇÕES TJMG SINJUS ENTREVISTA O CANDIDATO À PRESIDÊNCIA, DESEMBARGADOR JOSÉ AFRÂNIO VILELA segunda-feira, 25/04/22 16:51 Foto: TJMG As eleições para o novo comando do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) serão realizadas na próxima sexta-feira, 29 de abril. Apesar de as servidoras e os servidores não terem direito ao voto – apenas os ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
Grupo de manifestantes da 'Frente de Sindicatos do Funcionalismo contra o RRF' estão em frente à Cidade Administrativa, sede do Governo de MG. Eles estão com faixas de protesto contra o Regime de Recuperação Fiscal. Neste grupo estão dirigentes sindicais do SINJUS- MG, Alexandre Pires (coordenador-geral) e Felipe Rodrigues (diretor de finanças). #NAOAORRF ATO CONTRA RRF REÚNE CENTENAS DE SERVIDORES NA CIDADE ADMINISTRATIVA sexta-feira, 05/08/22 18:03 Entidades que representam servidores públicos de várias categorias se reuniram nesta sexta-feira, 5 de ...
Ilustração digital de uma mulher sentada com um laptop sobre um calendário gigante, ela observa o horizonte por meio de uma luneta, como se estivesse planejando algo para uma data no futuro. Ao lado desta imagem, há uma nota de dinheiro e uma pilha de moedas, sugerindo uma reserva financeira para o plano que a mulher pretende realizar. INFORMAÇÃO TJ PAGA INDENIZAÇÃO DE FÉRIAS NO DIA 12/8; ENTENDA sexta-feira, 05/08/22 16:45 FOTO: NAKI-SAMA/FREEPIK O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador José ...
Diante de um cenário infernal há uma parede em ruínas com a bandeira de Minas Gerais, ela está sendo destruída por uma bola de demolição onde se lê RRF (Regime de Recuperação Fiscal). Do lado esquerdo, há um sinal de proibição, dentro dele há um símbolo de uma lupa sobre um papel com um cifrão, que representa a fiscalização de finanças. #DIGANAOAORRF RRF IMPEDE QUE MINAS CONTESTE VALORES OU FAÇA AUDITORIA DE DÍVIDAS quinta-feira, 04/08/22 17:42 Um dos grandes interesses do governo federal por trás do Regime de Recuperação Fiscal ...
Top Fale conosco