ARRECADAÇÃO EM MG

POR QUE A PREVISÃO DIFERE DA ARRECADAÇÃO REAL?

quinta-feira, 25/02/21 13:42

Em Minas Gerais, tem sido comum a arrecadação efetiva ser diferente da previsão realizada quando da elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA) e, neste artigo, vamos explorar alguns aspectos que podem ajudar a entender essa questão.

No processo de elaboração da LOA, o estado faz uma previsão das receitas, o que não é algo simples, pois a arrecadação depende de uma série de variáveis econômicas, como crescimento econômico, nível de emprego, inflação, câmbio, taxas de juros etc. Essa complexidade, por si, é um fator que ajuda a explicar a diferença entre receitas previstas e receitas arrecadadas, mas não é o único.

Tabela 1: Previsão e arrecadação – Receita Corrente MG (2018-2020)

 

Ano

Receita Corrente Prevista (A)

Receita Corrente Arrecadada (B)

Diferença (B-A)

2018

87.620.179.669

82.783.741.329,46

-4.836.438.339,54

2019

88.863.240.201

91.938.813.507,94

3.075.573.306,94

2020

92.916.039.851

99.356.123.352,86

6.440.083.501,86

Fonte: Portal de Transparência de Minas Gerais

A Receita Corrente mostrada na tabela 1 refere-se à arrecadação decorrente de tributos (função direta da atividade econômica), de transferências (depende da atividade econômica, mas também de outros fatores), e de outras receitas correntes (que não depende da atividade econômica). Nota-se que, em dois dos três anos, a receita arrecadada foi superior à receita prevista.

Tabela 2: Receita Corrente Total, decorrente de impostos e taxas, de transferências e outras MG (2018-2020)

 

Ano

Receita Corrente Total

Receita Corrente (Impostos e Taxas)

Receita Corrente (Transferências)

Receita Corrente (Outras)

2018

82.783.741.329,46

63.415.482.380,86

12.505.581.791,97

786.599.445,30

2019

91.938.813.507,94

67.292.176.030,47

15.765.828.645,32

1.265.904.924,52

2020

99.356.123.352,86

68.635.101.684,60

20.273.717.062,39

3.162.934.522,33

Fonte: Portal de Transparência de Minas Gerais

Em 2020, ano de queda da atividade econômica, foram arrecadados R$ 68.635.101.684,60 em receitas correntes decorrentes de impostos e taxas, sendo que a previsão de arrecadação era de R$ 69.779.606.719,00. Já a arrecadação referente a transferências e outras receitas correntes foi de R$ 23.436.651.584,72, enquanto o valor previsto era de R$ 17.093.215.830,00. Dessa forma, a arrecadação maior que a prevista em 2020 se explica essencialmente pelo comportamento das transferências e de outras receitas correntes.

Já em 2019, ano de baixo crescimento econômico, o erro de previsão se deu nas receitas correntes decorrentes da arrecadação de impostos e tributos. O valor arrecadado naquele ano foi de R$ 67.292.176.030,47, contra uma previsão de R$ 64.853.730.455,00. No caso das transferências de outras receitas correntes, o valor arrecadado foi de R$ 17.031.733.569,84 contra uma previsão R$ 16.259.947.947,00.

No caso de 2018, também de baixo crescimento, a previsão de arrecadação das receitas correntes decorrentes de impostos e taxas foi de R$ 61.324.028.033,00, contra uma arrecadação efetiva de R$ 63.415.482.380,86. No caso das receitas de transferências e outras receitas correntes, a previsão de arrecadação era de R$ 17.269.351.047,00, contra uma arrecadação efetiva de R$ 13.292.181.237,27. Dessa forma, em 2018, o erro de previsão se deu nas receitas decorrentes de transferências e de outras receitas correntes.

Dessa forma, no período recente, nota-se que a receita corrente — função da atividade econômica — estimada pelo estado acaba ficando abaixo da receita efetiva em anos de crescimento econômico (mesmo pequeno), e acima da receita efetiva em anos de queda forte da atividade econômica (caso de 2020). Por outro lado, as previsões de receitas de transferências e outras receitas correntes nos dois últimos anos têm sido muito inferiores ao que de fato é arrecadado. E foram essas receitas que garantiram ao estado uma boa arrecadação em 2020.

Para o ano de 2021, que deverá ser um ano de crescimento nominal do PIB (já que 2020 foi um ano de forte queda), e sem as receitas de transferências extraordinárias do governo federal, deve prevalecer o efeito de subestimação da receita corrente decorrente de impostos e taxas, o que possivelmente significa mais um ano de receita subestimada. Também essa subestimativa deve se concretizar devido ao fato de que novas receitas correntes deverão ingressar no caixa do estado devido a acordos judiciais.

Tudo isso deve implicar a manutenção de um índice de despesa com pessoal do TJMG abaixo do limite permitido pela legislação, o que infelizmente não significa a viabilidade real do aumento do gasto diante do fato de que o estado tem mais de R$ 47 bilhões de despesas inscritas em Restos a Pagar de exercícios anteriores.

Thiago Rodarte

É economista com graduação e mestrado pela UFMG, onde foi professor substituto. Ex-diretor da Secretaria de Desenvolvimento de Minas Gerais. Atua no DIEESE, assessorando, atualmente, os sindicatos dos servidores da Justiça Estadual de Minas Gerais.

Convênios

ver mais
Deixe Aqui Self Storage Locação/aluguel Carlos Prates . BH (31) 99967-3202 / (31) 98377-2636. 10% ver mais
Sorte Minas Loterias – Crédito e financiamentos Financiamento e Crédito Centro . BH (31) 99977-1374 / (31) 98348-9612. Taxa de 0,99% a.m. ver mais
Dentista Maurício de Miranda Carvalho Odontologia Funcionários . BH (31) 99996-0313 25% ver mais
Crossfat Centro de Emagrecimento Academias Lourdes, Santa Efigênia e Buritis . BH (31) 98446-0779, (31) 99389-1718 e (31) 99396-1617 https://crossfat.com.br/ 30% ver mais
Clube Labareda Clubes Itapoã . BH (31) 3499-1313 https://atletico.com.br/paginas/labareda-clube 75% na Taxa de Adesão ver mais
Top Fale conosco